Metamorfose musical

Metamorfose musical
A pesquisa musical sempre foi um baú de surpresas. Aqui não trataremos da “Metamorfose ambulante”, do incrível compositor e cantor Raul Seixas, feita em 1973. Iremos mais além, do outro lado do atlântico, na querida nação francesa que muito influenciou a cultura brasileira durante o império. Muitas canções francesas de belíssimas letras e melodias irrepreensíveis, não obtiveram o merecido sucesso na terra brasilis, mas explodiram com sucesso extraordinário em outros países, notadamente nos Estados Unidos. Isso eu já postei no meu site sobre a composição francesa “Les Feuilles mortes” com gravação original de Ives Montand, que foi sucesso internacional, mas que atingiu seu ápice na versão norte-americana, com o nome de “Autunm leaves”, adaptada pelo compositor Johnny Mercer. A composição foi gravada por grandes nomes da música norte-americana como: Nat King Cole, Andy Williams, Frank Sinatra, Roger Williams, Elvis Presley e outros cantores e instrumentistas internacionais como: Eric Clapton, Andrea Bocelli, Richard Clayderman, Paul Murriat, entre outros. Já está documentado, e não é um fenômeno raro, que a versão de uma determinada música se torne muito mais popular do que sua versão original. Aqui vou me deter na marca registrada do cantor norte-americano, Frank Sinatra e sua gravação da música “My Way”, que na realidade é uma versão da composição francesa “Comme d’habitude” lançada na França com relativo sucesso em novembro de 1967, pelo cantor Claude François.
Comme d’habitude, por sua vez, tem uma trajetória muito interessante, passando por diversas transformações de letra e da melodia. Lá pelo ano de 1967, o compositor francês Jacques Revaux, compôs uma música intitulada “For me”, surpreendentemente uma canção com título em inglês. Fez contato com vários cantores franceses da época, entre eles Michel Sardou, Hugues Aufray, Mirielle Mathieu e Claude François. Todos se negaram a grava-la. Alguns meses após, Jaques Reveaux reencontrou Claude François e os dois voltaram a falar sobre a música. François aceitou grava-la, desde que fosse feita uma alteração na letra e na melodia. Jacques Revaux aceitou a proposta e fez as modificações solicitadas, com o auxílio do letrista Gilles Thibaut. A composição passou a ter o título de “Comme d’habitude” (Como sempre, em português).
O cantor Claude François já era um sucesso dentro da França, ligado ao pop rock, que mantinha um forte marketing e tinha um fã clube de jovens. Mas, fora da França era um cantor praticamente desconhecido e não fazia sucesso como Edit Piaf, Ives Montand ou Charles Aznavour.
Comme d’habitude foi lançada por Claude François, mas não chegou a ser o grande sucesso esperado. Chegou a ser tocada por algumas semanas, e apesar de ter conseguido o primeiro lugar do hit-parade durante uma semana, em 1968, vendeu somente 300 mil cópias e foi gradativamente diminuindo até praticamente desaparecer das paradas.

Decepcionado com a performance, em 1968, foi solicitado ao cantor David Bowie, que estava em início de carreia, uma versão escrita em inglês com o nome de Even a Food Learns to Love”, mas também não vingou.

Mas, tudo mudou de repente. O cantor Paul Anka, depois da gravação da música Diana virou coqueluche internacional. Ele estava passando as férias na França ouviu a música Comme d’habitude e se interessou em comprar os direitos autorais, o que consegui com um excelente acordo, já que a música entrava em declínio nas rádios. Os autores viram a possibilidade de obter lucro com os 37,5% dos royalities com uma eventual versão internacional, mesmo com a fracassada versão gravada em inglês pelo cantor David Bowie. Eles fecharam o acordo. Quando Paul Anka retornou aos Estados Unidos não tinha a menor ideia do que fazer com aquela canção. Dessa maneira colocou-a numa gaveta e ficou lá por algum tempo. Determinado dia ele lembrou da canção e fez a adaptação necessária para a língua inglesa com o título de “My Way”. Naturalmente, a versão inglesa deve-se a Paul Anka.

Quando Paul Anka canta My Way … ele está contando uma história da versão que le fez e que está em seu coração. Já Sinatra, por outro lado, está entregando a música com aquela voz excepecional e tentando senti-la “do jeito dele”.

Com a letra e melodia prontas, durante um jantar com Frank Sinatra ele mostrou a composição ao “The Voice”, que resolveu grava-la. O sucesso, não preciso dizer, todos conhecem!

Jacques Revaux & Claude Francois, Jr. foram entrevistados em 2013 pela Broadcast Music, Inc. (BMI London Awards). Os dois discutem o papel do escritor Paul Anka na música clássica “My Way”.

Josias Cavalcante

One thought on “Metamorfose musical

  1. Eu não sabia que o Paul Anka tinha gravado essa música. Gosto muito de ler suas pesquisas. Sempre me acrescenta algo mais ao meu conhecimento. Eu também gosto dr fazer minhas pesquisas. A gente sempre descobre fatos interessantes. Obrigada, Dr. Josias. Essa música My Way é linda! E eu nem sei dizer se gosto mais com o Sinatra ou o Paul Anka. Gosto dos dois intérpretes. Mas o Sinatra tem mais voz, sem dúvida! Rita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *